domingo, 4 de agosto de 2013

Cinema Hollywoodiano vs. Cinema Europeu.







Muitas vezes ouço as pessoas ao meu redor dizerem que não gostam de filmes europeus. Filmes europeus são chatos e parados, e não tem efeitos especiais. É uma opinião coerente quando analisamos a geração atual que cresceu sob o domínio massivo das produções Hollywoodianas. Essa dicotomia “Cinema Hollywoodiano versus Cinema Europeu” é facilmente identificável quando comparamos, por exemplo, Spielberg com Hitchcock. Enquanto os filmes hollywoodianos de Spielberg se valem de efeitos especiais ultra- fantásticos, Hitchcock se utiliza de efeitos propositalmente mais modestos para que estes não interfiram no valor inerente do roteiro que tem em mãos. Podemos então analisar está dicotomia da seguinte forma: O cinema Hollywoodiano lança mão de recursos ilimitados de produção, muitas vezes para tapar furos enormes de roteiros, que passam despercebidos a uma clientela que perdeu o habito de olhar criticamente para os filmes devido a quantidade enorme de efeitos especiais contidos nessas obras, cujo principal objetivo é exatamente atrofiar a condição critica da platéia.
Ninguém questiona o nacionalismo exacerbado, ou as distorções históricas feitas pelos roteiristas de Hollywood, mas todos vibram com as explosões alheias que surgem a cada minuto de filme rodado.  Enquanto isso os filmes europeus muitas vezes valorizam um roteiro forte que levam a reflexão dos temas propostos, o que gera desconforto na platéia apática dos filmes hollywoodianos. O telespectador dos filmes americanos não quer pensar, questionar ou contestar, isso cansa.
É melhor comprar a idéia já pronta e enlatada, produzida pela indústria hollywoodiana. É assim que filmes de qualidade questionável faturam rios de dinheiro enquanto filmes poéticos e questionadores se tornam marginais relegados aos telespectadores chatos (como eu). Creio que a melhor definição já dada para essa dicotomia descrita aqui foi expressa pelo próprio mestre do suspense Alfred Hitchcock que disse que “O filme europeu pode abrir com uma imagem de nuvens, cortar para outro plano de nuvens, e então cortar para um terceiro plano de nuvens. Se um filme americano abre com uma imagem de nuvens, deve cortar para um plano de um avião, e se no terceiro plano o avião não tiver explodido, a platéia estará entediada.” Para aqueles que amam de paixão o cinema americano essa leitura acaba aqui, afinal devem estar entediados demais para continuar a ler.


O que muitos talvez não saibam é como a indústria do cinema americana chegou aonde chegou. A produção de filmes em larga escala – o que caracteriza uma indústria – deu inicio na Europa logo após a primeira guerra mundial, muitos países europeus exportavam filmes. No entanto, as dificuldades financeiras ainda decorrentes da guerra fez com que os EUA pulasse na frente e criasse uma industria cinematográfica com pretensões globais o que veio a se firmar na decorrência dos anos.  Hollywood desde sua origem nunca produziu filme voltado somente ao mercado interno, queria criar um produto tipo exportação. Foi dessa pretensão que surgiu a idéia de criar uma indústria mundial de filmes com sede em Hollywood.  Hoje em dia essa ligação de Hollywood com o cinema é tão forte que para muitos são sinônimos. E com isso muitos perdem a oportunidade de usufruir de filmes mais analíticos e críticos feitos até mesmo em solo norte americano, pois se o filme é americano ele deve ser feito pelos estúdios de Hollywood.  
Cada país hoje tem Hollywood como entrave para o desenvolvimento de seu cinema nacional justamente por isso. A dicotomia em questão é: “Cinema Hollywoodiano – não necessariamente o cinema americano – contra o cinema nacional”. E dessa forma o cinema europeu com toda sua carga artística e intelectual faz parte do outro, do cinema nacional, regionalista em oposição ao cinema massificador americano simbolizado por Hollywood. No fim das contas o que o cinema comercial americano quer é arrecadar e para isso fazem o que os pastores de igrejas evangélicas são mestres em fazer, condicionam seus fiéis – eu diária vitima – para pagar montantes enormes para sua causa, mesquinha e capitalista. Afinal queremos alguém para pensar por nós, não queremos questionar, ou contestar o que está escrito. Dessa forma Ingmar Bergman com sua forma caótica de ver o mundo nunca será páreo para as histórias fáceis – e impotentes filosoficamente – dos roteiros usados por James Cameron em filmes como ”Exterminador” ou “Avatar”. Não vejo nada errado em alguém gostar de filmes como “Homem de Ferro”, “Velozes e Furiosos” ou “Indiana Jones”, o problema é achar que isso é a única coisa no mundo que podemos chamar de cinema.



Um dos melhores filmes da história do cinema na minha singela opinião é um filme americano financiado alias, por Hollywood. Trata-se de “Paris Texas”. Ok, foi dirigido por um diretor europeu, o alemão Wim Wenders. Mas a história se passa nos EUA com toda uma atmosfera texana e uma trilha sonora totalmente americana.  Creio que o problema não é ser alienado, mas sim ser alienado e não questionar tal alienação. Quem não questiona o próprio conforto está fadado a ser um zumbi da indústria cinematográfica. Foi o Próprio Chaplin que questionou o poder persuasivo da indústria em “Tempos modernos”.

Em breve teremos um bando de telespectadores alienados e incapazes de contestarem qualquer coisa, simplesmente porque uma explosão qualquer o fez perder o foco da questão. Assim se constrói a sociedade do domínio massivo proporcionado por Hollywood.E para aquele que provar que eu estou mentindo por favor deixe seu comentário.



André Stanley alcunha de André Luiz Ribeiro é professor e escritor; autor do livro “O Cadáver” (Editora Multifoco – 2013); É membro efetivo da Asso. Dos Historiadores e pesquisadores dos Sertões do Jacuhy desde 2004. Atua hoje como professor e pesquisador de História Cultural. Também leciona língua inglesa, idioma que domina desde a adolescência, Administra e escreve para os blogs: Blog do André Stanley (blogdoandrestanley.blogspot.com) – Sobre História, política, arte, religião, humor e assuntos diversos e Stanley Personal Teacher (stanleypersonalteacher.blogspot.com) onde da dicas de Inglês e posta exercícios para todos os níveis.

3 comentários:

  1. O cinema americano prefere transar e o europeu prefere discutir a relação !!!

    ResponderExcluir
  2. O cinema americano prefere transar e o europeu prefere discutir a relação !!!

    ResponderExcluir
  3. O cinema americano prefere transar e o europeu prefere discutir a relação 2

    ResponderExcluir

Postagens Populares